LEX Africa 30th anniversary logo
MOÇAMBIQUE D1 1

Detalhes da empresa

Grupo 1000004165
+ 258 21 48 6438 / 40
Av. 24 de Julho, nº. 7, 7º Andar, Maputo-Moçambique
+ 258 21 48 6441
Portuguese, English

O vasto projeto hidroelétrico de Moçambique pode criar um polo energético regional

Moçambique é um país pitoresco no sudeste da África e sua capital, Maputo, é o centro comercial e cultural. O país é rico em recursos naturais, biologicamente e culturalmente diversificado, possui clima tropical e suas belas praias são um importante atrativo para sua crescente indústria do turismo.

A sua extensa costa oferece alguns dos melhores portos naturais de África, o que permitiu a Moçambique desempenhar um papel importante na economia marítima. Além disso, o rio Zambeze e a rede hidroeléctrica do país, incluindo a barragem de Cahora Basa e a barragem de Kariba, fornecem água suficiente para irrigação e a base para a energia hidroeléctrica.

Oportunidades não faltam

A maior oportunidade de Moçambique reside na exploração dos diversos recursos do país, afirma Thera Dai, advogada da CGA & Associados em Maputo e membro da aliança jurídica LEX Africa.

“Esse fato estimula o surgimento de novos segmentos de mercado ainda não explorados no mercado local. Há grandes possibilidades de sucesso empresarial em transporte e logística, energia, tecnologias da informação e comunicação (TIC), mercado de capitais, agronegócio, bancos, seguros e têxtil”, afirma.

Com a exploração desses recursos, o país pode dar um salto qualitativo e quantitativo rumo ao desenvolvimento, diz Dai. “Obviamente, atrelado a este fator, está a correta gestão dos recursos, o que implica necessariamente uma luta feroz contra a corrupção, que se tem revelado um dos maiores fatores de entrave ao desenvolvimento dos países africanos.”

Grandes desafios

Os principais desafios de Moçambique incluem a manutenção da estabilidade macroeconómica, considerando a exposição às flutuações dos preços das matérias-primas e envidar esforços adicionais para restabelecer a confiança através de uma melhor governação económica e maior transparência, diz Dai. Além disso, são necessárias reformas estruturais para apoiar o setor privado em dificuldades.

“Isso, e diversificar a economia longe de seu foco em projetos de capital intensivo e agricultura de subsistência de baixa produtividade, ao mesmo tempo em que fortalece os principais impulsionadores da inclusão, como a melhoria da qualidade da educação e da prestação de serviços de saúde, pode melhorar os indicadores sociais”, disse. ela diz.

“Outro dos maiores desafios do país é travar a escalada do conflito no norte de Moçambique, concretamente em Cabo Delgado. Isso fez com que as operações de exploração de petróleo e gás parassem.”

Ela diz que, em termos de política monetária, o banco central está fazendo um esforço para conter a taxa de inflação, que é influenciada por fatores como pressão sobre os preços dos combustíveis e redução na oferta de cereais e fertilizantes. “Para isso, foram tomadas medidas para melhorar a produção interna de forma a minimizar a dependência externa.”

Perspectivas econômicas

A economia moçambicana atravessa uma recessão económica, em primeiro lugar devido ao fraco investimento público devido à retirada de cerca de metade do apoio ao orçamento do Estado. Isso e a descoberta de dívidas não declaradas pressionaram o mercado interno, diz Dai.

Por um lado o Estado está a utilizar todos os mecanismos possíveis para aumentar as receitas internas para fazer face à despesa pública, deixando de lado o investimento público, que é uma grande fonte de motivação e dinamização da economia moçambicana.

Por outro lado, o Estado, que é o maior cliente das empresas moçambicanas, deixou de pagar as facturas dos seus fornecedores, com atrasos até três anos em alguns sectores.

Para piorar, a pandemia da COVID-19 deixou grande parte do setor empresarial moçambicano em grandes dificuldades, diz Dai. “Isso, por sua vez, impactou as famílias que viram sua renda diminuir em 75%, reduzindo assim a capacidade de compra da população.”

Ela diz que Moçambique é um grande exportador de eletricidade, “e os países da região enfrentam desafios energéticos, pelo que a construção de novas barragens é claramente uma opção de crescimento económico”.

O Ministério de Recursos Minerais e Energia (MIREME), através do Escritório de Implementação do Projeto Hidrelétrico de Mphanda Nkuwa, está desenvolvendo um projeto hidrelétrico de 1.500 megawatts e instalações de transmissão associadas, diz Dai.

Uma vez concluído, espera-se que o projeto forneça energia para atender à crescente demanda doméstica em Moçambique e transformar o país em um polo energético regional.

“O restante da produção do projeto deverá ser exportado para países vizinhos, incluindo a África do Sul, onde a demanda por energia limpa é alta. O projeto também acelerará a transição para energia limpa para combater as mudanças climáticas na África Austral”, diz Dai.

O projeto estimado de US$$4,5 bilhões incluirá uma barragem, uma usina e uma infraestrutura de transmissão de alta tensão de 1.300 km do local do projeto na Província de Tete até Maputo, capital de Moçambique.

Moçambique é também um importante pólo logístico para o escoamento de mercadorias dos países do interior.

Nova legislação significativa

Moçambique introduziu várias novas leis até à data em 2022. Estas incluem três importantes leis aprovadas em 25 de maio que entrarão em vigor em 22 de setembro de 2022, diz Dai, a saber:

  • um novo Código Comercial que revoga o atual;
  • um Regime Jurídico dos Títulos de Crédito (atualmente incorporado no Código Comercial existente); e
  • um Regime Jurídico dos Contratos Comerciais (também atualmente incorporado no Código Comercial existente).

O novo Código Comercial trará muitas mudanças com o objetivo de melhorar o ambiente de negócios, afirma Dai.

Entre elas, a possibilidade e o reconhecimento de reuniões virtuais dos órgãos sociais das empresas e o fortalecimento da governança corporativa das empresas. Exemplos deste último são:

  • criar/reforçar a proteção dos acionistas minoritários,
  • maior responsabilidade da administração e dos diretores,
  • maior transparência da titularidade real – eliminação de ações ao portador e outros valores mobiliários e identificação obrigatória do acionista controlador efetivo,
  • a introdução de novos tipos de empresas,
  • eliminação de escrituras públicas,
  • introdução de alguns conceitos do Anglo/Common Law e outros.

O Regime Jurídico dos Contratos Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei n. 2/2022 é uma grande mudança. Ele compila todas as regras de interpretação, prevê muitos contratos comerciais anteriormente não contemplados e incorpora muitos princípios do UNIDROIT e os princípios da HCHH sobre o Direito Internacional Privado.

A Lei Moçambicana da Electricidade, aprovado pela Lei n. 12/2022 de 11 de julho de 2022, revogou a anterior Lei da Eletricidade n. 21/97 de 1997. A nova Lei de Eletricidade cria condições para a abertura do setor elétrico ao setor privado, através do regime jurídico das concessões.

“Este documento, da autoria do Governo, visa adequar o quadro legal aos desafios do acesso universal à energia utilizando todas as fontes energéticas, especialmente as renováveis. Além disso, a nova Lei de Eletricidade visa ajudar a promover a redução das emissões de gases de efeito estufa”, afirma Dai.

A Lei de Lavagem de Dinheiro e Combate ao Terrorismo, aprovado pela Lei n.º 11/2022 de 07 de julho de 2022, estabelece o regime jurídico e as medidas de prevenção e repressão na utilização do sistema financeiro e das entidades não financeiras, para efeitos de branqueamento de capitais, financiamento do terrorismo e financiamento da proliferação de armas de destruição em massa.

A Lei aplicar-se-á às instituições financeiras e entidades não financeiras sediadas em território nacional, bem como às suas sucursais, agências, subsidiárias ou qualquer outra forma de representação, e a outras instituições susceptíveis de praticarem o branqueamento de capitais, o financiamento do terrorismo e o financiamento do proliferação de armas de destruição em massa como conduta criminosa.

Isso está de acordo com as Convenções e Resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e ajusta o conteúdo da legislação existente aos novos padrões normativos internacionais nessa área, afirma Dai.

“Uma das novidades é a obrigatoriedade de todas as organizações sem fins lucrativos apresentarem as suas contas ao Estado.

“O Governo quer que todas as organizações sem fins lucrativos, nomeadamente igrejas, fundações e organizações não governamentais, passem a prestar contas relativas a despesas e receitas, para um melhor controlo das suas atividades”, afirma.

 

pt_PTPortuguese

Países membros

Explore our member firms by country

Argélia
Angola
Botsuana
Burkina Faso
Camarões
RDC
Egito
Guiné Equatorial
Eswatini
Etiópia
Gana
Guiné Conacri
Costa do Marfim
Quênia
Lesoto
Malawi
Mali
Maurício
Marrocos
Moçambique
Namíbia
Nigéria
Ruanda
Senegal
África do Sul
Tanzânia
Tunísia
Uganda
Zâmbia
Zimbábue

O que nós fazemos

Explore nossa gama de conhecimentos e veja como podemos ajudá-lo.
Banca e Finanças, Fundos de Investimento e Private Equity
Crimes e Investigações Empresariais
Concorrência/Antitruste
Engenharia de Construção
Fusões e Aquisições Corporativas
Direito Cibernético, Blockchain e Tecnologia
Resolução de disputas
Direito Empresarial Geral
Saúde e Ciências da Vida
Infraestrutura, Energia e Projetos
Insolvência e Reestruturação de Negócios
Propriedade intelectual
Trabalho e Emprego
Leis de Investimento Local e Indigenização
Mídia, Radiodifusão e Comunicações
Mineração, Meio Ambiente e Recursos
Direito Imobiliário e Imobiliário
Imposto

Meios de comunicação

Explore our news articles, specialist publications and browse through our webinars and gallery